30, dez, 2015

Sali Hughes, jornalista, 40 anos, linda, bem-sucedida e… tem melasma. Colunista do The Guadian, escreve, periodicamente, “Sali on beauty” , coluna em que dá dicas diversas de beleza. Ela revelou que, assim como milhares de pessoas, principalmente mulheres, pelo mundo, enfrenta o melasma já há alguns anos. Sali busca alternativas para minimizar as manchas e contou quais seus artifícios.

79c0a29b-8895-494c-96f0-d2a20c65cc40-2060x1236

 

“Nada irá curar esse defeito profundo na pele, mas alguns produtos podem começar a fazer a diferença em sua pele”, afirma Sali Hughes. [Cabelo e maquiagem: Lauren Oakey. Foto: Rui Faria/Guardian]

 

Leia, na íntegra, o depoimento dela sobre melasma, traduzimos para mostrar a você que conviver com ele é uma tarefa possível e desempenhada por muita gente por aí!

“Recentemente, tenho recebido muitas mensagens de leitoras perguntando sobre melasma. Isso acontece todos os anos, assim que o sol começa a brilhar mais intensamente, no verão, e aquelas grandes manchas marrons de pigmentação da pele começam a piorar subitamente, inclusive, comigo. Também vi uma onda de cartas confusas, com alguns relatórios altamente enganosos que aconselham as mulheres a desembolsar centenas de dólares em sérum para corrigir seu melasma. Por favor, não faça isso.

Nada irá curar esse defeito profundo na pele (células produzem excesso de melanina que lhe concedem a tonalidade mais escura), mas alguns produtos podem começar a fazer a diferença em sua pele. Não é a mesma coisa que manchas superficiais causadas pelo sol, por exemplo, mas podem responder muito bem aos produtos.

A primeira vez que desenvolvi melasma foi aos 23 anos, quando comecei a tomar pílula contraceptiva. Ele piorou depois de duas gestações e agora ocupa grande parte do meu rosto – ao longo dos tempos, das maçãs do rosto e da testa. Conversei com alguns dos melhores dermatologistas do mundo e, também, com uma série de especialistas menos escrupulosos que afirmam ser capazes de erradicar o melasma de um paciente permanentemente. Não dê um centavo para qualquer um que faz isso.

Minha rotina do melasma é voltada para proteger e disfarçar, e faço um bom trabalho nela. Nunca saio de casa sem proteção solar. Nos meses de verão, uso Skinceuticals Mineral Radiance UV Defense, £39. Mais barato e também um grande favorito, é o Vichy Idéal Soleil BB Tinted Velvety Cream, £13.15. Depois do protetor solar, bato levemente Kevyn Aucoin Sensual Skin Enhancer, £38 (que tem uma escala de sombra multiétnica) sobre quaisquer tonalidades. Um pequeno pote dura um ano e cobre totalmente todas as manchinhas.”

E aí, o que achou? O dermatologista Bruno Vargas, responsável pelo Portal do Melasma, defende que, assim como Sali Hughes, toda pessoa que sofre com o melasma deve encontrar a melhor forma de amenizar as manchas e prevenir que novas delas apareçam.

“Como ela bem disse, duvide de qualquer profissional que prometer dar um fim ao melasma, isso não é possível. Contudo, há diversas maneiras de tratá-lo e reduzir os sinais. A pessoa deve, junto a um dermatologista de confiança, encontrar a melhor receita para seu caso”, pondera.

Vargas ressalta que cada pessoa tem um tipo de pele e, por isso, não há uma fórmula fixa. Assim, não basta seguir as recomendações de Sali, pois, o que funciona para ela pode não ser exatamente o que você precisa. Encontre a fórmula ideal para você!

 

Compartilhe:
Comentários: