20, mar, 2017

Ácido tranexâmico para tratar melasma

O ácido tranexâmico é muito conhecido por permitir o controle de sangramentos durante hemorragias ativas. Entretanto, a substância também está ficando cada vez mais conhecida e se mostrado eficaz em tratamentos para a pele, contra o melasma, principalmente. Para essa finalidade, o ácido tranexâmico pode ser indicado em cápsulas, em creme e injetável, que é a opção que traz os melhores resultados, segundo especialistas. 

Com ação antifibrinolítica, o medicamento é capaz de diminuir a ativação de uma proteína do sangue chamada plasmina, responsável por degradar coágulos e pelo processo inflamatório da pele que estimula a produção da melanina e das manchas características do melasma.

O ácido tranexâmico, por sua vez, impede a ação inflamatória e, consequentemente, a formação de melanina. Estudos recentes revelaram que o uso tópico do ácido tranexâmico previne a pigmentação induzida pelos raios ultravioletas (UV), e o uso intradérmico (injetável) promove rápido clareamento. O resultado foi comprovado pelo dermatologista Bruno Vargas, em ambas as formas de utilização do produto.

Tratamentos complementares ao ácido tranexâmico

Bruno Vargas afirma que o uso combinado do ácido tranexâmico com outros tratamentos, como clareadores tópicos e/ou antioxidantes orais, tópicos e injetáveis otimiza os resultados. Entretanto, antes de iniciar o tratamento em qualquer uma de suas formas é preciso consultar um dermatologista experiente na administração desse medicamento. “O médico dermatologista é o profissional responsável por avaliar cada caso individualmente, a fim de verificar quais distúrbios da pele o paciente possui e se o ácido tranexâmico é mesmo o medicamento mais indicado”, explica o dermatologista de BH.

Após optar pelo ácido tranexâmico, o médico vai definir frequência, dosagem e manutenção, bem como avaliar os benefícios e resultados do medicamento.

Ácido tranexâmico para tratar melasma

Benefícios do ácido tranexâmico

O ácido tranexâmico previne a pigmentação induzida por raios UV e promove o clareamento da pele. Além disso, é eficaz no tratamento de melasma e na redução da hiperpigmentação da pele resultante da exposição solar.

O que é o melasma e como ele é causado?

O melasma é uma condição que se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras na pele, mais comumente na face (maçãs do rosto, testa, nariz e buço), mas também podem ocorrer nos braços, pescoço e colo. Esse distúrbio pode aparecer em qualquer fase da vida e é mais frequente em mulheres, principalmente as de pele morena a negra, mas também pode acometer os homens.

O melasma não possui cura, mas existem diversos tratamentos bastante eficazes, como o ácido tranexâmico, que mencionamos ao longo deste texto. Muitas vezes, as pessoas com melasma podem ter o quadro agravado com um tratamento ou procedimento inadequado, ocorrendo piora significativa das manchas. Por isso, consultar um médico especialista é fundamental antes de iniciar qualquer tratamento.

As principais causas para o surgimento do melasma são:

  • Predisposição genética associada a outros fatores desencadeadores.
  • Exposição à radiação solar.
  • Luz artificial, como a dos computadores e lâmpadas para iluminação de ambientes.
  • Influências hormonais, como uso de anticoncepcionais, e durante a gravidez.
  • Estresse e outros problemas emocionais.

A principal forma de prevenção é a proteção contra os raios solares e luzes artificiais, por meio do uso do protetor solar, diariamente, ainda que o dia esteja chuvoso ou nublado. As pessoas que já possuem melasma também devem utilizar roupas, chapéus, bonés, óculos escuros, sombrinhas e guarda-sóis para evitar a exposição solar da região acometida pelas manchas.

Você ainda tem alguma dúvida sobre o uso do ácido tranexâmico? Deixe um comentário!

Compartilhe:
Comentários: