17, dez, 2014

[Artigo] Um olhar atento sobre o melasma

Dra. Leslie Baumann*
Traduzido pelo dermatologista Bruno Vargas,  especialista e coordenador do Portal do Melasma
Publicado no jornal Miami Herald em 07/08/2014

A hiperpigmentação é geralmente um sinal de danos causados pelo sol e começa a piorar à medida em que aumentam os anos de exposição da superfície da pele sem a devida proteção. Porém, enquanto manchas senis típicas tornam-se visíveis em torno dos 30 aos 40 anos, o melasma geralmente se manifesta bem antes.

O que é Melasma

Ele se caracteriza por manchas escuras geralmente no lábio superior, bochechas e testa. Acomete mais as mulheres latinas ou de origem asiática, podendo também surgir durante a gravidez, quando também é conhecido como cloasma. Sabemos que há uma ligação entre o melasma e os hormônios. Por este motivo, as mulheres que utilizam contraceptivos orais são mais propensas à doença.

Ao contrário da hiperpigmentação relacionada com o sol, que ocorre em uma fase mais adiantada da vida, o melasma ocorre principalmente entre 20 e 40 anos de idade, quando os níveis de estrogênio são mais elevados. Uma vez que uma mulher atinge a menopausa, os sintomas começam a diminuir.

Embora existam medicamentos de prescrição que podem conter as manchas escuras, a chave para minimizá-las é a prevenção. É importante usar protetor solar todos os dias (365 dias por ano, chova ou faça sol) e evitar o sol. Você também pode querer repensar o plano de ter filhos ou até mesmo evitar a depilação facial e o vapor durante tratamentos faciais, já que o calor pode piorar os sintomas. E embora o melasma tenha a tendência de diminuir com a menopausa, a terapia de reposição hormonal pode levar a um maior escurecimento da pele.

Relação entre melasma e estresse

Pesquisas recentes também estabeleceram uma ligação entre estresse e o melasma. O estresse pode ativar o gene propriomelanocortrin, que estimula a pele a produzir mais pigmento. O organismo ainda pode associar a falta de sono como estresse, então isso também pode piorar as manchas. Esse gene tem um efeito sobre toda a produção de pigmento da pele, mas quando há preocupação específica com o melasma, é importante estar atento a todos os fatores desencadeantes. Seu dermatologista pode recomendar os melhores produtos para a pele, prescrições e tratamentos para ajudar a controlar o melasma, mas isso não é tudo. Para garantir uma pele saudável, não subestime o preço que seu estilo de vida pode cobrar no futuro.

Nota do dermatologista Bruno Vargas:
“Recentemente foi confirmada a relação direta de causa-efeito entre os níveis de estresse e o melasma. Os estudos identificaram um gene que induz a produção do pigmento (melanina) quando os níveis de estresse aumentam. Até uma noite mal dormida pode ser um gatilho para a piora das manchas”

*dermatologista, fundadora da University of Miami Cosmetic Medicin e diretora executiva da Baumann Cosmetic & Research Institute – Miami/EUA

Leia o artigo original

Compartilhe:
Comentários: