13, jan, 2016

Avaliar para tratar

Quando falamos de tratamento eficiente para o combate a patologias da pele, é fundamental uma análise do paciente, incluindo seu quadro atual e histórico. É preciso focar, exatamente, no que está sendo tratado para acertar, não apenas na escolha do procedimento, como também nas peculiaridades da aplicação.

O laser fracionado, por exemplo, pode ser direcionado para a derme e/ou para a epiderme. Por isso, costuma ser recomendado para o rejuvenescimento e para o tratamento de algumas lesões, mas deve ser evitado no controle do melasma, por exemplo.

Já cicatrizes de acne e rugas intensas devem receber um tratamento mais profundo, que atinja a derme e acione a produção e remodelação de colágeno. A energia usada determinará a profundidade da pele atingida (mais energia é usada para atingir locais mais profundos).

O dermatologista também precisa considerar a densidade de tratamento – qual percentual da pele será tratada? Quanto mais, maior será a área tratada.

Antes de realizar um procedimento, deve ser feita a avaliação de expectativas e disponibilidade do paciente para o procedimento após o tempo de inatividade. O tipo de pele e a probabilidade de exposição ao sol também são fatores a serem considerados. O paciente deve saber que verá melhoria parcial em rugas, cicatrizes e pigmentação, e deve esperar algum desconforto durante o procedimento, além de efeitos colaterais.

Compartilhe:
Comentários: