25, out, 2017

O que o dermatologista disse sobre meu melasma

“Depois de muitos anos sofrendo com o melasma, finalmente, decidi visitar um dermatologista. A razão de eu ter demorado tanto foi que eu estava certa sobre o melasma ser um problema hormonal e não dermatológico. Ouvi histórias horríveis sobre dermatologistas indicando dos mais diversos – e caríssimos – tratamentos que não funcionavam. Eles não funcionavam porque o melasma não pode ser curado até que seja realizado controle dos hormônios.

A razão porque escolhi visitar um dermatologista foi que eu já tinha dado os primeiros passos para acertar alterações hormonais, com alimentação. Dois meses atrás, comecei uma dieta livre de glúten, açúcar e álcool. Também tomo uma série de suplementos que meu corpo necessitava. Como o processo é demorado, pensei que a combinação de terapias hormonais (rezando, esperando e desejando) seria a combinação certa para finalmente me livrar de uma vez por todas do melasma.

Agendando uma consulta com o dermatologista

Fiz uma busca online e decidi agendar com dois dermatologistas diferentes para ver o que eles recomendavam. Este post vai detalhar o que o primeiro me indicou ao longo do plano de tratamento.

Eu estava pacientemente na sala de espera, já me preparando para fazer um tanto de perguntas. Eu fiz MUITAS perguntas ao longo dos anos e sabia que as perguntas que eu tinha iriam me permitir saber se aquele dermatologista estava tentando tirar vantagens de mim. A médica chegou e ela foi super amigável (e tinha uma ótima pele!). Expliquei minha situação e ela começou a apontar uma série de procedimentos disponíveis.

Para ser bem sincera, fiquei um pouco desapontada porque ela sequer tinha olhado para meu melasma – que estava em sua maioria coberto – e ela já me falou sobre cremes clareadores, laser e peelings.

Minha primeira pergunta foi sobre os cremes clareadores, falei que eu tinha ouvido falar que hidroquinona poderia deixar a pele mais sensível do que ela já era, levando ao escurecimento posterior. Ela concordou, disse que existia essa possibilidade, no entanto, garantiu que é muito importante usar o percentual certo para chegar aos melhores resultados.

Então, perguntei se a médica tinha umas fotos de “antes e depois” e confessei ter muito receio de fazer qualquer coisa para combater o melasma e fazê-lo ficar pior. Ela simpaticamente me disse que não tinha nenhuma foto de “antes e depois”, o que me deixou bem triste.

Depois de alguns minutos discutindo minhas opções ela perguntou se eu queria a prescrição de hidroquinona, então, revelei que eu ainda iria a outro dermatologista para ouvir uma segunda opinião antes de tomar qualquer decisão.  Ela entendeu completamente e foi até o lado de fora do consultório e chamou uma esteticista de sua equipe que era familiar com melasma.

Eu sou EXTREMAMENTE GRATA por ela ter convidado essa mulher.

A esteticista admitiu que o melasma é uma das coisas mais difíceis de se tratar. Pediu para ver meu melasma e comentou “Você sofre com ele faz tempo, né?” e eu disse “há 8 anos”. Ela também recomendou que peeling químico ou laser fosse feito. Ela acrescentou que já tentou tudo para tratar melasma nas pacientes e que, quando estão naquela profundidade, nada disso funciona. Fiquei muito desapontada por ouvir aquilo, mas fiquei confiante e gostei da sinceridade.  

O que eu decidi fazer?

Depois de conversar com a esteticista e com a dermatologista, decidi seguir as orientações e ir em frente com o uso de creme clareador.

O maior aprendizado da consulta

Você sabia que tomar sol piora o melasma, mas sabia que o calor também faz isso? Água quente, sauna, o calor do forno, o aquecimento do carro em um dia quente podem deixar o melasma pior. Eu tinha ouvido falar nisso, mas não sabia que era um fato. A dermatologista me indicou a melhor opção de proteção solar que previne dos danos não apenas dos raios UV, como também do calor. ”

Esta é uma tradução livre de um depoimento publicado no site Melasma Diaries.

Hidroquinona para melasma: devo usar?

 

Compartilhe:
Comentários: