24, mar, 2018

Efeito Rebote: Como é possível evitar

A pele do corpo, especificamente a do rosto, é um órgão extremamente sensível, por isso, optar por qualquer tipo de tratamento, seja para fins corretivos ou estéticos, exige bastante cautela. Quando falamos sobre melasma, especificamente, esses cuidados devem ser redobrados, justamente para evitar o que chamamos de “efeito rebote”.

Ou seja, após um período de tratamentos e uma melhora significativa no aspecto das manchas, a falta de cuidados (ou o próprio tratamento) pode provocar uma piora do quadro e, consequentemente, escurecimento das manchas.

Efeito Rebote

Efeito rebote e o melasma

Não dá para prever (com 100% de certeza) como a pele vai reagir a um determinado produto ou procedimento, por isso, seguir a risca a orientação do seu médico dermatologista é fundamental.

Nada de abusar de cremes de farmácia ou receitas caseiras na expectativa de amenizar as manchas e reduzir os danos causados pelo descuido com a pele.

O sucesso do tratamento está diretamente ligado às condutas do paciente. Por isso, ao primeiro sinal de retrocesso no tratamento já iniciado, procure seu médico dermatologista para que um novo cronograma de cuidados seja traçado.

Qualquer procedimento que provoque alguma agressão à pele pode desencadear um processo inflamatório e piora do quadro.

O uso de determinados cosméticos, ácidos, lasers e outras receitas que tenham por finalidade tratar o problema podem desencadear o efeito rebote. Por isso, é preciso que seu médico dermatologista faça uma avaliação minuciosa da pele antes de qualquer intervenção, pois um detalhe pode gerar ação reversa e,  consequentemente, atrapalhar  a evolução do tratamento.

O melasma é uma condição que não tem cura, porém, com os cuidados necessários e tratamentos adequados, já que alguns não são recomendados, é possível controlá-lo. Para isso, é importante manter uma rotina de cuidados e que não pode ser interrompida aos primeiros sinais de melhora. 

Compartilhe:
Comentários: