27, ago, 2018

Hidroquinona: principais cuidados ao usar

A hidroquinona aparece frequentemente como uma opção para tratar o melasma. Mas será que seu uso em médio ou longo prazo é seguro? E quais cuidados devem ser tomados ao usar a hidroquinona? Veja abaixo as respostas.

O que é hidroquinona e para que serve?

A hidroquinona é um potente clareador e é utilizada em concentração de 4% a 5%, sempre de forma moderada e sob prescrição médica. É indicada no clareamento gradual de manchas como melasma, sardas, melanoses solares, hipercromia pós-inflamatória e outras situações que ocorrem hiperpigmentação por excesso de melanina.

Seu uso, no longo prazo, pode trazer alguns danos indesejáveis, como a hipocromia em confete (manchas brancas dentro da mancha marrom) e a sensiblização da pele que pode levar a um “efeito rebote”. Tal efeito é descrito como um piora da mancha após relativa melhora prévia a algum tratamento. Sabe-se que qualquer procedimento que provoque alguma agressão à pele pode desencadear um processo inflamatório e piora do quadro.

Hidroquinona: algumas precauções

O uso prolongado da hidroquinona pode levar ao surgimento de manchas brancas dentro da mancha marrom (hipocromia em confete), além de deixar a pele sensibilizada.

A hidroquinona não deve ser usada em pele irritada e na presença de queimaduras solares. Além disso, é preciso cuidado para não aplicar em regiões próximas aos olhos.

Hidroquinona durante a gravidez

A gravidez é um período que exige ainda mais cuidado com relação a diversos tipos de tratamentos. No caso, ainda não há pesquisas conclusivas com relação à indicação da hidroquinona em gestantes e mulheres que estão amamentando. Por isso, a relação risco-benefício deve então ser avaliada para o uso nessas condições.

Já em crianças menores de 12 anos, também não há estudos que apontem precisamente com relação a segurança e eficácia da hidroquinona.

hidroquinona

Contraindicações à hidroquinona

O dermatologista irá avaliar a condição de saúde do paciente para levantar possíveis contraindicações. De um modo geral, pessoas que tenham sensibilidade à composição da fórmula não devem fazer uso do ativo identificado. No caso da hidroquinona a regra também é válida.

Entre efeitos adversos estão sensação de queimação e descamação excessiva, podendo significar um quadro de dermatite de contato.

Produtos que podem substituir a hidroquinona

A hidroquinona costuma ser substituída, ao longo do processo, por outros clareadores menos irritativos. O uso tópico de ácido tranexâmico surge como uma possível forma de tratamento, principalmente para os pacientes que não respondem a outras terapias. Ele, por sua vez, pode ser aplicado através de injeções intradérmicas ou ingerido em forma de comprimido.

Consulta com o dermatologista

É importante destacar que somente um médico dermatologista poderá fazer indicações de medicamentos e dar o melhor direcionamento para o tratamento do melasma. Cada caso é diferenciado e precisa ter uma abordagem individualizada. Além disso, a automedicação é um risco à saúde, então, converse sempre com seu médico e tire todas as suas dúvidas.

Mais informações, veja outros posts sobre tratamentos.

Compartilhe:
Comentários: