28, mar, 2018

Impactos da luz artificial da pele

Você deve usar filtro solar, mesmo em ambientes fechados. Essa é a recomendação do dermatologista Bruno Vargas. “Para manter a saúde da pele, não basta usar o protetor solar somente ao expor-se ao sol”, afirma.

Segundo o especialista, estudos indicam que não apenas a radiação ultravioleta A e B e a infravermelha aumentam os riscos de manchas solares, queimaduras e fotoenvelhecimento da pele. A luz visível também pode ser muito prejudicial.

Um estudo feito pelo Departamento de Dermatologia do Hospital Henry Ford Medical Center, nos Estados Unidos, apontou que parte dos raios solares perceptível ao ser humano vem da luz visível, que é capaz de estimular a retina. O estudo comparou o impacto dos raios UVA e da luz visível na pigmentação da pele. Diante disso, foi possível observar que a duração dos pigmentos causados pela luz visível é muito maior que os causados pelos raios UVA.

Se protegendo dos impactos da luz artificial para a pele

Bruno Vargas recomenda, então, proteção solar mais completa, com uso de bonés, chapéus, roupas e filtros solares opacos, independente da temperatura no termômetro ou do céu nublado. “Mesmo em ambientes fechados, como escritórios e lojas, é preciso se proteger”, garante o especialista.

Algumas doenças de pele podem ser causadas, ainda que parcialmente, pela ação da luz visível, como urticária solar, dermatite actínica crônica, porfiria e o melasma. Portanto, nunca abra mão do filtro solar, para não correr o risco de prejudicar sua pele.

Além da proteção contra as ações da luz artificial, conheça outros cuidados que você pode adotar ligados à proteção da pele.

Compartilhe:
Comentários: