22, jun, 2017

Melasma pode ser mais recorrente em homens latinos

Uma mancha que surge no rosto e até mesmo em outras partes do corpo onde a exposição do sol é frequente e prolongada.  Estamos falando do melasma, uma condição crônica que atinge na maioria dos casos mulheres, podendo ser desencadeado por fatores como alterações hormonais, predisposição genética, exposição ao sol, entre outros.

Mais recorrente nas mulheres, de acordo com estudo publicado no International Journal of Dermatology, o melasma masculino pode acometer em sua maioria, homens latinos. Apesar de acometer uma minoria de homens, não se deve negligenciar o fato de que eles também podem ser afetados pelo problema.

Ainda não se sabe sobre um estudo específico sobre o impacto do melasma em homens no Brasil, principalmente, em relação à sua distribuição regional. Porém, acredita-se que em cidades do Norte e Nordeste, onde a exposição ao sol é bem mais intensa, esse número possa ser ainda maior do que em outras regiões. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, além do uso menos frequente de filtro solar, existem alguns motivos pelos quais os homens apresentam quadros de melasma, sendo:

– Predisposição genética;

– Uso de medicamentos que deixam a pele mais sensível ao sol;

– Doenças endocrinológicas que facilitam o aparecimento de manchas escuras;

– Estresse (uma vez que ele ativa os genes que estimulam o corpo a produzir mais hormônios que estimulam a pigmentação);

De qualquer forma, é fundamental que os homens possam encarar essa condição tratá-la da maneira como ela merece. Nada de minimizar o problema e “achar que esta mancha é uma bobagem”. E lembre-se, o acompanhamento do melasma deve ser realizado por um médico dermatologista da sua confiança.

Compartilhe:
Comentários: