12, maio, 2020

Qual o melhor tratamento para melasma?

O melasma pode ser uma condição frustrante e teimosa, que incomoda, principalmente, as mulheres. Tratam-se de manchas marrons escuras, que surgem mais comumente no rosto, geralmente na testa, bochechas e queixo.

Cerca de 90% das pessoas que desenvolvem a mancha são do sexo feminino, segundo estudo da Academia Americana de Dermatologia. O melasma não causa diretamente nenhum mal, mas pode afetar psicologicamente quem sofre com ele.

Afinal, o que é exatamente o melasma?

O melasma é caracterizado por pigmentação marrom ou acastanhada. Embora a condição cause maior impacto nas mulheres, é possível que homens também desenvolvam melasma, o que é menos comum.

Incidência

É sabido que o melasma tende a ocorrer mais em determinados tipos étnicos de pele, como em latinas e asiáticas. Por apresentar uma conexão com alterações hormonais, antigamente, o melasma costumava ser chamado de “máscara da gravidez”. Porém, percebeu-se que, apesar de ter na gravidez um forte fator de risco, ele não pode ser estritamente associado à gestação.

Quais são as causas?

Não há uma causa definida, mas muitas vezes esta condição está relacionada ao uso de anticoncepcionais femininos, à gravidez e principalmente à exposição solar.

O principal fator desencadeante é a exposição às radiações, como a  luz ultravioleta, à luz visível e a radiação infravermelha (calor). Além dos fatores hormonais e da exposição aos raios solares, a predisposição genética e histórico familiar também influencia no surgimento desta condição.

Qual o melhor tratamento para melasma?

Por se tratar de uma condição crônica, o melasma merece atenção por toda a vida. É possível clarear as manchas, mas isso não impede que, futuramente, outras possam aparecer. Nessa linha, após o clareamento, deve ser feita manutenção permanente.

Por não ter cura, não existe uma poção mágica para acabar com o melasma, mas isso não significa que a mancha não possa ser controlada. Existem ótimos tratamentos que podem ajudar bastante.

Uma opção é o uso de tratamentos a laser. Atualmente, uma moderna tecnologia tem auxiliado no controle do melasma. O laser PicoWay® é usado como tratamento para melasma em um procedimento pouco invasivo e que atende pessoas com qualquer tipo de pele.

O PicoWay®

Com pulsos em picossegundos, ele provoca a microfragmentação da melanina. Dessa forma, ela se quebra em pedaços infinitamente menores do que equipamentos mais antigos são capazes. Com isso, o procedimento apresenta resultados em menos aplicações e causando menos dor do que os lasers tradicionais. Isso facilita e agiliza o procedimento. O grande diferencial desta tecnologia é a ausência de calor gerado na pele, ou seja, o equipamento trabalha utilizando o efeito mecânico e não o efeito térmico (outros lasers). 

Indicação

Vale lembrar que o laser só é indicado em casos bem específicos, de acordo com características individuais da paciente. Inclusive, lasers fracionados e luz pulsada não são recomendados, pois agridem o melanócito e pioram as manchas.

Além do laser paratratamento para melasma

O ácido tranexâmico pode ser uma das indicações. Aplicado através de uma agulha fina na mancha, na camada intermediária da pele, ele bloqueia os estímulos que fazem com que o melanócito produza mais pigmento. Dessa forma, a pele fica protegida e novas manchas são impedidas de aparecer ou, ainda, as que já existem escurecem. Quando associado ao tratamento oral e tópico, os efeitos são ainda melhores.

Existem ainda outras opções detratamento para melasma que, combinados, podem oferecer resultados bastante positivos. Contudo, é fundamental a avaliação de um dermatologista. Somente ele poderá indicar a melhor opção para você.  

O dia a dia

Também é importante estar atenta aos cuidados básicos, como uso constante de filtro solar, além de chapéus ou bonés durante a exposição à luz solar. Mantenha cuidados redobrados no verão

10 MITOS E VERDADES SOBRE MELASMA!

Baixe gratuitamente o ebook preenchendo o formulário a seguir. Receba agora mesmo no seu e-mail.

Compartilhe:
Comentários: